Relato do Parto do Heitor

Relato de Parto do Baby Heitor, escrito por sua mamãe Kelly.
Como começar esse relato sem antes dizer que foi uma longa jornada de 40 semanas e 2 dias em que houve uma busca constante por entender a gestação, busca de informações, alimentação saudável e prática de exercícios. Filho, Papai do céu enviou você no tempo certo, no tempo Dele, mas papai e mamãe passaram longos 8 meses ansiando pelo resultado positivo.
Quando esse resultado chegou, mamãe levou um susto, pois estava descendo um sanguinho, você ainda não estava 100% fixado no útero e mamãe precisou ficar 40 dias de atestado em casa, tomando progesterona que deu muito enjoo e sono.
Passado esses 40 dias, foi o momento de procurar um médico que fosse de confiança e que fizesse parto normal. Essa foi uma jornada um pouco longa mas com 28 semanas decidimos pela nossa equipe de parto humanizado – A Nascentia, equipe essa que foi nos apresentada pela Nathaly, uma amiga que foi essencial nesse processo. Além da equipe, ela sempre tirou todas as minhas dúvidas sobre parto humanizado com seu blog cheio de informações que eu devorava e também pelo WhatsApp sempre disponível.  Ela me encorajou a buscar nosso tão sonhado parto, sempre acreditou que eu conseguiria e me ajudou muito no processo de empoderamento. Fizemos o Chá de parto na Nascentia e a empatia pela Lissandra e Letícia foi imediata, com o passar do curso, Clésio desconfiou que a Lissandra conhecia a sua tia Ene e quando perguntamos, logo tivemos a feliz surpresa que Lissandra foi professora do Lyvio e trabalhou com a Tia Ene por uns 10 anos, e mais descobrimos que a Letícia havia acompanhado o nascimento do seu primo Pedro. Ah filho, mamãe tinha certeza que queria elas na sua chegada. Por fim ficou faltando apenas a obstetra e como a Dra. Carolina Amorim estava trabalhando na Nascentia, fomos em uma consulta e também amamos ela, um poço de calmaria e tranquilidade. Pronto, estava decidido então que você nasceria no hospital, provavelmente na Maternidade Brasília, se tudo corresse bem. Depois disso fomos regularmente nas consultas, seu pai acompanhou a mamãe em tudo, todas as ecografias e consultas. Eu tentava comer bem para você crescer forte e saudável, me exercitei também o máximo que pude. Sobre o parto normal, li tudo que podia para não ter medo da dor e saber como funcionava o processo. Li livro, relatos de parto, blogs, tirei dúvidas, tudo para me sentir preparada para a sua chegada. Com 37 semanas, entrei de férias para finalizar os últimos preparativos e descansar antes da sua chegada. Foi também com 37 semanas o seu Chá de fraldas e foi maravilhoso, amei poder rever tantos amigos que não via há tanto tempo.
Bem, o tempo foi passando e com 39 semanas, comecei a me preocupar, pois não havia nenhum sinal e eu tinha muito medo de ter mecônio no seu líquido amniótico. No dia 10 de dezembro fomos almoçar no Mangai e andar no pontão, foi tão bom espairecer… Nesse dia, senti uma leve dor nas costas, no domingo também senti mais coliquinha nas costas e estava mais forte. Na segunda-feira de manhã, dia 11 de dezembro, fiquei muito tensa, pois ainda na cama eu não havia sentido a sua mexida, filho. Depois de uma hora e meia você mexeu e eu relaxei, senti duas contrações com dorzinha (não era de treinamento) e resolvi levantar porque o quadril doía. Nossa!! Doeu muito levantar da cama e ao fazer xixi, observei um sanguinho no vaso e no papel, percebi que o tampão mucoso tinha começado a sair, mas ainda era muito pouquinho e ao longo do dia não havia saído mais nada. Ao sentar para tomar café, mais uma contração. No período da tarde resolvi assistir filmes, vi dois filmes até seu pai chegar. Quando ele chegou, resolvemos sair para caminhar. Já estávamos caminhando desde quinta-feira, dia 07, para ajudar no processo. No domingo, dia 10, caminhamos por uma hora, longa caminhada rsrs. Mas voltando para a segunda-feira, depois de caminhar e sentir a barriga ficando muito dura (sem dor), voltamos para casa e eu fui tomar um banho quente. Depois desse banho as contrações começaram, eram regulares e de 10 em 10 minutos (em média). Estávamos na cozinha picando frutas para uma salada que serviria como lanche leve no longo trabalho de parto que estava esperando. Quando a contração vinha sentava na bola de pilates para aliviar a dor. Avisamos a Letícia e ela falou que quando as contrações viessem de 05 em 05 minutos devíamos avisá-la. Terminamos a salada de frutas, fritei um filé de frango e nós jantamos. Após isso resolvi cronometrar as contrações novamente e já estavam de quatro em quatro minutos com duração de um minuto e meio. Mas a ficha não tinha caído, achei que ainda estava longe e que aquilo eram pródromos, ao avisar a Letícia que iria tentar dormir, na hora ela falou que as contrações estavam muito regulares e que ela iria me ver. Resolvi tomar um banho rápido, quando saí, minha vó, tia e tio estavam lá em casa (minha irmã, sua tia havia contado para todos), levei um susto e acho que minha vó se chateou, mas eu não queria que elas ficassem preocupadas e nem aperreados, imagina se o trabalho de parto tivesse durado a noite inteira, elas iam ficar me mandando para o hospital, sendo que nós só iriamos no momento certo, no momento a ser sinalizado pela Letícia. Quando ela chegou, ouvimos os batimentos durante a contração e também sem contração, estava tudo perfeito. Ela fez o toque e disse: advinha gente? Eu chutei 3 centímetros de dilatação, depois 5. Seu pai já foi logo para os 08 e a Letícia confirmou os 8 centímetros, falou que era hora de ir pro hospital, disse que sentiu a cabeça e que a bolsa iria estourar a qualquer momento. Coloquei roupa, brincos e ainda queria por a lente, mas a Letícia estava me apressando, kk ela sabia que estava perto e eu ainda não tinha me tocado. Depois disso, a dor começou a apertar de vez, senti um calor enorme, estava passada, acho que já estava na partolândia, quis sair correndo do carro. O Caminho foi sem dúvida, muito difícil, o carro não é um bom lugar para se estar em uma contração lkkk Letícia foi comigo no carro, eu pedi, estava começando a sentir muita dor, ela perguntou se eu senti vontade de fazer força, respondi que ainda não. Estava tão passada que esqueci de chamar a vó pro hospital, elas então foram para casa e nós para o hospital. No caminho senti um puxo, apertei a mão da Letícia e ela mandou o pai acelerar o carro… Ao chegar no hospital, sentei na cadeira de rodas, mais uma contração difícil de aguentar kkk mas fui forte, pois a recepção estava cheia. A doutora Carolina Amorim já estava lá, já estava nos aguardando e já tinha até dado início ao processo burocrático do hospital. Letícia, ainda no carro, perguntou se tínhamos certeza que queríamos usar a sala de parto humanizado, já que seria rápido e tinhamos que pagar pela sala, eu já no ápice da dor respondi: tanto faz, tanto faz… Já na sala de parto humanizado, por volta de 00h20 (sim ela ficou limpa e acabou que usamos), em pé segurando na maca, a enfermeira ajudou a trocar de roupa e pronto, a bolsa estourou e uma água límpida, clarinha desceu pelo chão, parecia um balão de água que estourou. Estava sem mecônio, graças a Deus. Nessa hora já me dirigi para a banqueta de parto e seu pai sentou atrás e me deu as mãos. Em algum momento eu pedi para tirar os propés, porque pé molhado me incomoda e aí tiramos a camisola molhada também. A sala estava a meia luz, a dra. Carolina e a enfermeira Letícia sentadas no chão esperando Heitor, esperando você, filho! Eu estava tão calma e serena, estava eu na partolândia, mas ao mesmo tempo percebi tudo a minha volta e foi de uma forma boa, todo o ambiente, cada fala, a hora que seu pai pediu para a Leticia me lembrar de fazer força apenas na hora da contração e ela dizendo que eu estava em plena conexão com meu corpo e que não precisava, ainda sim ela olhou pra mim e falou pra eu respirar. Na próxima contração respirei fundo e fiz força, como havia aprendido na fisioterapia pélvica com a Carolina Viana, a melhor fisioterapeuta e a mais simpática também, e você desceu mais um pouco, lembro delas falando: ele já está aqui. Antes disso eu já tinha pedido o espelho para ver sua cabecinha cabeluda filho. Acho que senti mais um puxo e aí gritei firme porque você estava saindo, a cabeça havia passado, não sei se senti círculo de fogo não, mas senti que você saiu e doeu muito, mas foi uma dor boa, pois você estava chegando para nós, a cabeça saiu e você já chorou alto filho, vi a dra. Carolina dizendo que tinha uma mão junto kkk, mas um puxo que não demorou e seu corpinho escorregou…você nasceu as 01h00 da manhã. O cordão umbilical era curto, então te segurei no meio das minhas pernas, seu pai cortou o cordão quando parou de pulsar e eu subi você para perto de nós, tão branquinho e lindo, eu só sentia euforia e falava, filho você chegou… nem me lembro das palavras, mas tenho a visão de você chorando e chorando nos meus braços. Rosa você chegou e chorava muito… que alegria foi. Logo depois fui pra maca e você já pode mamar e como agarrou forte o meu peito e já sugou… Depois de um tempinho chamaram a pediatra e na sala onde estávamos fizeram os testes em você, seu pai acompanhou tudo enquanto levei os pontos, 04 pontinhos, laceração superficial… Essa parte doeu mais que o parto, kkkk ah agulinha doída. Filho, depois fomos para a enfermaria esperar o quarto e você grudou no meu peito, acho que mamou umas 02 horas seguidas ainda. Depois já no quarto eu estava com muita fome e não consegui dormir, estava eufórica demais, muita ocitocina no sangue. Você recebeu um Apgar nota 10. Creio que o parto nos ajudou a ter uma boa amamentação =) Filho, estou muito realizada, foi diferente de tudo que eu havia lido e foi mais rápido do que eu imaginava, mas foi abençoado e maravilhoso. Deus foi muito bom conosco e você chegou forte e saudável com 50 centímetros e 3, 120 kg. Eu me lembro de cada detalhe da sua chegada filho, estou muito realizada pelo nosso parto ativo. Obrigada por nos proporcionar isso. Já no quarto, em alguma momento seu pai te segurou no colo e disse que esse mundo era muito ruim, mas que logo nós te apresentaríamos Jesus e aí tudo ficaria bem (ele me contou isso nós já estávamos em casa, mas ele quase chorou e eu também ao ouvir isso), que emoção. Você já abocanhou o peito corretamente e apesar de ter machucado e de doer muito, conseguimos filho, você mama meu leitinho todo dia e as fissuras já curaram com 10 dias de você aqui… Seu umbigo caiu com cinco dias de nascido… Você tem personalidade, seu new born não ficou como eu esperava, mas ficou tão lindo porque foi do seu jeitinho e essa é a nossa família. Filho, te amamos!!!
IMG_7958 (1)
Kelly Cristina
Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s