As Cinco Linguagens do amor aplicada à Gestação, Parto e Maternidade!

Com mais de 30 anos de experiência no aconselhamento de casais, Dr. Gary Chapman, contrariando a ideia de que o amor é universal, percebeu que cada um de nós adota uma linguagem pela qual damos e recebemos amor. Ele identificou 5 formas através das quais as pessoas expressam e recebem as manifestações de amor e valorização. Quando as pessoas que convivemos não entende a linguagem predominante de cada um, a comunicação é afetada, impedindo que se sintam amados, aceitos e valorizados. São elas: Palavras de afirmação; Tempo de qualidade; Receber presentes; Formas de Servir; e Toques físicos, sendo cada um deles aplicados a qualquer tipo de relacionamento.

As diferenças de Linguagem fazem parte do ser humano e de sua cultura. Não importa o tanto que você se esforce pra expressar o sua valorização em inglês pra alguém se essa pessoa só entende chinês; vocês jamais conseguirão entender, caso não falem de modo que o outro compreenda.

Sendo assim, as linguagens do amor/ valorização pessoal servirá de apoio para qualquer tipo de relacionamento que você vier a construir.

Especificamente nesse artigo vou demonstrar como aplico em minha atuação como doula. Eu gosto de identificar a linguagem da mulher de modo que eu consiga construir um vínculo de confiança com ela e que com isso seja propiciado um parto acolhedor.

Eu consegui chegar a essas conclusões a partir de uma pesquisa que eu mesma fiz. Apliquei um questionário objetivo e um subjetivo com cinco mães. No questionário subjetivo eu fiz algumas perguntas específicas sobre a gestação, o parto e o puerpério. Desse modo, eu tive uma visão mais clara se as linguagens poderiam ser aplicadas.

Mas eu não aplico apenas na minha atuação como doula. Eu aplico como amiga, profissional e como mãe.

Essas formas são subjetivas. O meu intuito é fazer com que você entenda as linguagens e passe a observá-las e aplicar a cada pessoa que vier a conviver.

  1. Palavras de Afirmação

Elogios verbais e palavras de apreciação são poderosos comunicadores do amor, aceitação e valorização. A gestação é um momento de insegurança para os pais, onde muitas vezes se questionam se estão ou não prontos para educar uma criança, da anulação pessoal em prol de outra vida. Palavra de afirmação traz à tona, por meio da verbalização, sentimentos muitas vezes escondidos ou ainda, ressaltar qualidades que muitas vezes passam despercebida pelas pessoas.

Quando verbalizamos essas qualidades estamos apoiando verbalmente uma característica positiva de alguém.

Existem diversas formas de se comunicar as palavras de afirmações.

Dicas Práticas:

  • Uma maneira de expressar palavras de afirmação é elogiando verbalmente uma pessoa. O elogio se concentra numa conquista ou num feito.
  • Procure trazer à mente consciente algumas características que você observou na pessoa que você está apoiando.
  • Outra forma de abordar as palavras de afirmações é ressaltar traços pessoais positivos. A personalidade é nossa maneira usual de abordar a vida.

Na Gestação a mulher fica muito insegura com as mudanças em seu corpo, então você como doula pode destacar coisas que identifique algo positivo nela: qualidades, a determinação na busca por informações e escolha pelo parto natural.

Além das diversas formas existentes de abordar as “palavras de afirmação” com alguém, há também numerosos cenários em que elas podem ser ditas. Entender o contexto em que alguém prefere ser reconhecido é outro aspecto importante de aprender a falar essa linguagem de palavras de afirmação fluentemente.

Então você pode começar a compreender durante seus primeiros encontros com ela, através de uma conversa já é possível identificar suas preferências. E afirma-la por meio de palavras de afirmação pode gerar em vocês confiança e intimidade.

2. Tempo de qualidade

O tempo de qualidade também inclui a conversa de qualidade; o tempo que você dedica a pessoa: seja ao enviar uma mensagem mostrando que naquele momento você lembrou-se dela ou até mesmo o tempo dedicado a ir conversar pessoalmente. Quando a linguagem da pessoa é essa, a pessoa vai compreender que ao procurar ter uma agradável conversa com ela, significa que você está procurando criar um ambiente seguro no qual a pessoa possa contar suas realizações, frustrações e sugestões.

Nesse caso, podem ser feitas perguntas não com o propósito de argumentação, mas com o desejo genuíno de entender as suas preocupações.

Seguem abaixo algumas dicas:

  • Mantenha o contato visual. Resista à tentação de olhar na direção do teto, do chão, da janela ou qualquer outro lugar. Manter o contato visual evita que sua mente divague e comunica à outra pessoa que ela tem sua plena atenção.
  • Não faça outras coisas enquanto estiver ouvindo. Lembre-se: tempo de qualidade é dar a alguém sua atenção total.
  • Se estiver fazendo algo de que não possa se afastar imediatamente, diga isso à pessoa que deseja conversar: “Sei que você quer falar comigo e estou muito interessado nisso. Mas quero lhe dar atenção plena.”
  • Ouça sentimentos e pensamentos. Enquanto estiver ouvindo, pergunte a si mesmo: “Que emoção a pessoa está experimentando?”. Quando achar que tem uma resposta, confirme-a.
  • Reconheça os sentimentos da pessoa ainda que você discorde das conclusões a que ela chegou. Somos criaturas emocionais. Ignorar as emoções é desprezar uma parte significativa da nossa humanidade.
  • Resista à tentação de interromper. Pesquisas recentes indicaram que a pessoa comum ouve apenas dezessete segundos antes de interromper e apresentar suas próprias ideias. Se você der total atenção enquanto estiver falando com a pessoa, logo você irá se abster de defender-se ou de lançar acusações sobre a pessoa ou afirmar sua posição de maneira dogmática. A intenção é descobrir seus pensamentos e sentimentos, não se defender ou se corrigir. Nossa meta deve ser entender a pessoa. O entendimento constrói relacionamentos positivos; a atitude defensiva cria inimigos.

Não estou dizendo que não há espaço para nossas ideias e nossos sentimentos, porém, o foco é na outra pessoa. Por esta razão, primeiro apreciamos e compreendemos os pensamentos e sentimentos da outra pessoa para então depois de ter ouvido bem, compartilharmos nossa perspectiva.

Quando ambas as partes se ouvem com empatia, isso estimula e provoca sentimentos de apreciação no indivíduo cuja principal linguagem é tempo de qualidade.

Outro dialeto do tempo de qualidade apresenta-se sob a forma de experiências compartilhadas como diálogos em pequenos grupos (Roda de gestantes).

Algumas pessoas não se sentem confortáveis em conversar individualmente. Num grupo pequeno, porém no qual se compartilha ideias e sugestões, essas pessoas se sentem menos intimidadas e será maior a probabilidade de elas compartilharem suas ideias.

Esse tipo de atenção concentrada, em que a doula não promove suas próprias ideias, mas busca ouvir o que os outros membros compartilham, gera nos componentes um senso de valor.

Durante o parto, como doulas, precisamos garantir que estamos mantendo esse espaço de nascimento apenas com pessoas que tem confiança no parto, que acreditam firmemente nessas mulheres, em suas habilidades e em se corpo. Isso porque o medo de fato é transmitido, logo, é importante criar um a relação de proximidade, mencionar palavras de afirmação para empoderar essa mulher e deixar próximas dela apenas pessoas que possam efetivamente passar um “tempo de qualidade”.

Outra iniciativa interessante que pode ajudar a gestante a criar um tempo de qualidade consigo mesma é incentivá-la a tirar de 2 ou 3 minutos de prazeres por dia durante toda a gestação: seja apreciar sua xícara de café, a leitura de um livro, caminhar, colocar uma música e dançar, comer chocolate.

Precisamos leva-las a encontrar esses prazeres simples na vida, que as levará a conectar-se consigo mesmas e tentar trazer isso para o parto de modo que no momento de dor ela se sinta “confortável” desfrutando de algo que lhe gere prazer.

Nosso papel é nutrir e proteger a memória dessa mulher, afinal, esses momentos ficarão registrados na memória delas eternamente. A doula também compreende como elas se sentem: suas emoções segregam seus hormônios e os hormônios mudam a fisiologia do parto.

3. Atos de Serviço (Formas de Servir)

Prover ajuda é uma poderosa mostra de reconhecimento, especialmente ao indivíduo cuja linguagem da valorização pessoal mais importante é “atos de serviço”. Tais ações normalmente serão vistas como benéficas. Nosso papel principal como doula é servir e podemos fazer isso muito bem com essa linguagem, contudo, várias estratégias podem tornar o processo mais eficiente.

Dicas práticas:

  • Pergunte antes de ajudar. Quando estiver considerando a possibilidade de ajudar alguém, é muito importante que pergunte primeiro se a pessoa quer ser ajudada.
  • Sirva voluntariamente. Para que um ato de serviço seja encorajador para alguém, a ação precisa ser oferecida voluntariamente.
  • Analise sua atitude. Existe um provérbio antigo que diz: “O trabalho realizado com uma atitude alegre é como chuva caindo sobre o deserto”. Cremos que o oposto também é verdadeiro: O trabalho realizado com uma atitude negativa é como um furacão sobre o deserto. Não é animador receber ajuda de alguém que está irritado ou que lamenta ajudar. Quando for ajudar uma gestante, certifique-se de que você é capaz de realizar a tarefa com uma atitude positiva e alegre.
  • Se é para ajudar, faça do jeito da outra pessoa. Portanto, quando for prestar ajuda prática a alguma gestante.

Existem 03 coisas importantes para criar um ambiente favorável para ao parto:

Privacidade, segurança e não observação são aspectos muito importantes para garantir à gestante um ambiente favorável para o parto. É igual na sexualidade. Como você se sentiria se você estivesse fazendo amor e a porta estivesse destrancada e estranhos entrassem? Ou se você estivesse conectado a maquinas? Cada mulher consegue descrever o que é privacidade para pra ela. Nós temos que propiciar um ambiente íntimo e acolhedor, onde não será perturbada nem observada.

Durante o parto muitas mulheres precisam estar conectadas e se alguém entra no quarto, ela vai sentir na hora se são calorosos, amáveis se a fazem se sentir realmente confortável e segura, ou se são estranho que estão entrando em seu espaço, ela sentirá a tensão em vez de liberar oxitocina, o hormônio do amor, e endorfinas, os hormônios do prazer. Por isso é importante conhece-la previamente, afim de identificar as formas de agradá-la e poupá-la de interferências externas.

4. Receber Presentes

Dar o presente certo para a pessoa que aprecia recompensas tangíveis pode significar uma poderosa mensagem de agradecimento, apreciação e encorajamento. O presente pode ser de qualquer tamanho, forma, cor ou preço. Pode ser comprado, encontrado ou feito. Para a pessoa cuja principal linguagem do amor é receber presentes, o custo destes pouco importa. Presentes não precisam ser caros, são apenas lembranças tangíveis.

Dica prática:

  • Algum cartão especial ou revista de maternidade. Algo que faça com que a gestante perceba de forma tangível seu interesse em agradá-la genuinamente.

5. Toque Físico

O toque físico é uma maneira de reconhecer o valor da outra pessoa e pode ser profundamente encorajador. Devemos aprender com a pessoa que estamos tocando o que ela entende como o toque traz afirmação e valorização. Quando alguém se afasta de você fisicamente, isso costuma indicar que existe um distanciamento emocional entre vocês. Quase instintivamente, num momento de crise, abraçamos uns aos outros porque o toque físico é um poderoso comunicador de amor e cuidado. Em tempos críticos, mais do que qualquer outra coisa, precisamos sentir que os outros se importam conosco. Entretanto, existem pessoas que não gostam de ser tocadas pois isso as deixa desconfortáveis. Nestes casos, cabe a nós identificarmos se esse é o caso da gestante.

São exemplos de toques que demonstram amor e valorização para quem o tem como principal linguagem.

  • Abraços, afagos nos encontros.
  • Massagens para alívio da dor
  • Aperto de mão dentre outros.

O que você achou? Consegue fazer um paralelo com suas relações? Deixe seu comentário, pois é muito importante pra mim.

About

Em processo de melhoria contínua. As únicas coisas definitivas em minha vida são: Meus tesouros (filhos), minha fé (Cristã), e meu Hobby (Cantar). Me formei Doula e Educadora Perinatal após ter vivenciado a maior experiência da minha vida: o parto natural domiciliar dos meus dois filhos. Desde então tudo que envolve o universo feminino e a maternidade enche meu inunda meu coração de amor. Minha missão: Levar o amor de Deus às mulheres em atos, poesias e reflexões.

No Comments

%d blogueiros gostam disto: